Uma semana diferente com Maya, Julie, Daniel e pessoas aleatórias de Oure

A semana começou normal, com o mau humor sem tamanho da segunda feira depois de uma noite mau dormida. Primeira aula de física, não que eu preste atenção, mas até aquelas continhas no quadro estavam me tirando do sério. O pessoal da sala estava me olhando meio torto por conta de uns acontecimentos do final de semana e gente que nunca olhou na minha cara veio falar comigo, vai entender...
Na hora do almoço Maya veio me perguntar se eu ia ver a apresentação de dança com o pessoal. Eu não estava nem um pouco afim de viajar duas horas, ver mais uma apresentação sem noção de dança moderna e depois voltar master tarde pra casa.
-Como não???? Você TEM que ir!!! É o ballet REAL da Dinamarca!
Meus olhos até brilharam
-Ballet? Ballet clássico?
-Sim! Les Silfides e Sinfonia IC do Balanchini!
-BALANCHINI??? EU VOU!
Mas como eu ia fazer? Meus hosts não sabiam de nada, era muito tarde para eles me buscarem e eu não tinha nada pra dormir lá, não tinha roupa de ballet pro dia seguinte... Mas ai aquele sonho(tava mais para pesadelo) me assombrou mais um vez, eu só tenho 4 MESES aqui!! Que se f*&%! Eu vou pra esse negócio e dou meu jeito.
E quer saber? Foi a melhor coisa que eu fiz! Eu não tinha noção do quanto ballet clássico me fazia falta, do quanto eu sentida saudades das sapatilhas de ponta, dos repertórios e afins. Sem contar que foi no teatro Real!!! Lindo! Todo dourado com acentos de veludo vermelho, um orquestra maravilhosa, um lustre que vale mais que eu mesma e pinturas maravilhosas no teto. Eu parecia uma criancinha deslumbrada no meio de tanto luxo e beleza, para completar, de repente, todos se levantam olhando para a cabine mais perto do palco: era a Rainha!!! Quase morri!
O ballet foi lindo e mesmo dormindo super tarde e ficando morta no dia seguinte valeu a pena cada segundo!!
A terça foi "normal", a diferença era a maneira que algumas pessoas estavam me tratando.
Quarta parecia ser um dia normal, mas logo no almoço Benjamin me perguntou se eu iria no aniversário que seria mais tarde. Eu tinha esquecido completamente sobre isso, e tipo, festa quarta feira? Mas mais uma vez o sonho maldito veio me assombrar e resolvi dar meu jeito. A Maya tinha sumido o dia todo e ela precisava de uma folga de mim, mas como iria fazer? Ela é a única com cama extra... por sorte a Julie veio me falar que a colega de quarto dela não estava lá e que eu era bem vinda. Liguei para meus pais e eles disseram que tudo bem. O plano era ir para casa, pegar minhas coisas e voltar as 21:00, mas quando estava no ponto de ônibus Christina me viu e gritou:
-Você vem mais tarde Luiza?
-Pro aniversário? Sim
-Não, pro workshop de dança
-WTF??
Me esqueci da droga do workshop com a professora suíça. Era às 19:00 e eu fiz milagre pra chegar a tempo, com direito a correr atrás de ônibus e tudo!
A dança foi ok e fui pra "festa" com Julie, Maya e umas meninas. Uma palavra: BROCHA! A tal festa não passava de uns meninos bebendo, outros conversando e a maioria vendo um jogo na TV, aliás, os dinamarqueses tem essa mania de venerar times de outros países. é muito mais fácil você achar um menino que torce fervorosamente para um time da Espanha, Inglaterra ou até EUA e não liga pros times locais do que o contrário, como acontece no Brasil.
Ficamos um pouco lá. A aniversariante já estava pra lá de Bagdá falando dinamarquês comigo e tentando me empurrar pra um garoto. Acabei saindo de lá e fui parar o quarto da Laura e Frederikke com a Julie. Meio estranho porque mal converso com essas meninas mas acabamos conversando por horas tomando chá, não sei porque eu não tinha vergonha alguma de falar dinamarquês com elas e elas amaram me ouvir. Fui dormir depois das 3 e no dia seguinte nem animei de ir pra escola, mais tarde recebi a notícia que todas as aulas haviam sido canceladas, sorte sem tamanho!
Na hora do almoço passei no quarto da Maya. Ela estava sozinha lendo com uma cara diferente.
-Ei, está tudo bem?
-Mais ou menos, ontem foi muito estranho...
-Por que?
-Eu fiquei com medo de perder você...
-Como assim?
-Por cauda da Julie, eu não fui na escola o dia todo e quando apareci você estava com ela e ia dormi no quarto dela, não acho ruim que vocês sejam amigas, mas é que eu tenho medo de você me deixar de lado pra conversar com ela...
Ai, nem acreditei! Nem acreditei que cativei alguém a esse ponto! Que alguém de fato me considerava importante, que tinha medo de me perder, que me considerava amiga de verdade. Fiquei tão feliz de ouvir aquilo que me deixou mais segura para seguir o final desse ano com tudo! Disse pra ela não se preocupar, que ela foi uma das primeiras pessoas que falou comigo e uma das únicas que se importa comigo verdadeiramente, que nunca deixaria de falar com ela por outra amiga porque ela era muito importante para mim, mas isso não significava que eu deixaria de falar com Julie. Ela ficou visivelmente aliviada e me abraçou.
A sexta foi um dia de merda. Desculpa a palavra, mas foi sim um dia de MERDA! Eu não estava com o melhor humor do mundo e o feriado que se aproximava estava me tirando do sério porque minha atual família iria viajar e eu iria voltar pra minha segunda família. Para ajudar Maya não estava se sentindo muito bem e mais tarde veio o golpe fatal: Daniel.
Perceberam que muita gente foi grande parte da minha semana? Pessoas que nunca havia conversado foram uns amores comigo e eu nem falei nele? Pelo simples fato de ele não estar mais falando comigo. Por que? Não faço a menor ideia. Só sei que ele foi se afastando gradativamente ao longo da semana, e estava na cara que ele evitava ficar comigo na frente de todo mundo e ainda me tratava mal quando outros estavam perto, mas eu já estou meio acostumada com essas oscilações de humor do senhor Daniel.
Mas na sexta foi de mais. Eu o comprimentei e ele fez uma cara de desprezo tão grande que me deixou até tonta. Se eu me aproximava ele saia, se eu o chamava ele virava o rosto descaradamente e depois escrevi pra ele que queria conversar e ele nem se deu o trabalho de me responder. Eu fiquei com uma master pulga atrás da orelha. Que raios estava rolando? De noite fui tentar falar com ele e ele fez o de sempre, deu um milhão de motivos para cada uma de suas ações, não me deu muita moral e logo parou de falar comigo. Fiquei mal... preciso explicar porque? Pelo simples fato de que ele sempre diz que eu posso contar com ele, que ele se importa comigo, ele me faz me apoiar nele em um dia e no outro simplesmente para de falar comigo e me trata com indiferença. Eu preciso mais do que tudo de alguém que me ofereça segurança, e que segurança uma pessoa volúvel assim passa? Nenhuma!!! Sem dúvida Daniel é(era?) uma das pessoas mais importantes para meu intercâmbio, mas ele não se importa com isso, não percebe como estou sensível e inconstante e como as coisas tomam proporções gritantes em um ano de intercâmbio. Essa simples ignorada pode resultar em um sofrimento tremendo e para evitar o mesmo sofrimento podemos acabar com a amizade. Se bem que ele já disse que me considera como qualquer um de Oure, então está mais do que na cara que eu dou muito mais importância do que ele, e se essa amizade acabar a úica que sentirá falta sou eu.

Comentários

Ana Seerig disse…
Isso ai, aproveita tudinho que puder. Devo dizer que eu acho que não arriscaria sair por ai do nada e depois me arrependeria tremendamente. Aproveite, aproveite, aproveite!

Quanto ao Daniel, ele é instável como todos os outros gurias do mundo. Meus amigos tambem, as vezes fingem que não me conhecem e em outras horas engatam no maior papo comigo...

Guris, impossivel entende-los!

Beijoo

(Caramba, não pude ler quando tu publicou o post e depois esqueci... Tô atrasada... ashuashu)

Postagens mais visitadas