Fazendo valer a pena

Uma semana nessa nova família já se passou. Gosto muito deles, a casa é bem bonita e os pais me tratam super bem, mas me sinto totalmente fora de lugar, como se não fizesse parte daquilo ali, fico perdida sem saber o que fazer e acabo me excluindo no quarto. Meu pai trabalha muito e minha mãe não sei o que ela faz o dia inteiro, os dois irmão mais novos ficam o dia todo jogando vídeo game e jogos de computador e meu irmão mais velho fica o dia todo e TODOS os dias com a namorada dele. Sério, eu não sei como eles aguentam ficar tanto tempo juntos! A menina dorme aqui quase todo dia, passa o final de semana todo aqui, viaja com eles, vai com ele pra qualquer lugar(eles inclusive são da mesma sala!) e ela está aqui até quando ele não está. Poderia ser agradável se ela falasse feito gente e não com aquela voz de criança que me tira do sério, não ficasse dando pulinhos pela casa e não fosse tão irritante.
Fico perdida em uma família tão grande, tão perdida que quinta passada chorei horrores no refeitório da escola, assim, do nada! Eu estava meio pensativa, pensando no quanto estava me sentindo só, agora que mudei pra essa família. De repente uma menina me perguntou se estava tudo bem, eu disse que sim, ela disse que não parecia e eu abri o berreiro. Chorei litros, todo mundo viu e fiquei morrendo de vergonha.
Na sexta fui pro cinema com meu irmão e a namorada. Fui a maior velona, nem precisa de falar né? Mas meus pais queriam mesmo me ver interagindo com eles e pagaram meu ingresso. O filme foi uma bosta, mas foi legal sair com eles e acabei percebendo que a menina sempre quis muito conversar comigo mas tinha vergonha. Ao voltar pra casa ela veio no meu quarto e ficamos conversando durante horas. Longe de todo mundo ela não tinha vergonha e falava feito gente de 17 anos.
Mais tarde conversei com minha mãe no Skype e ela disse que queria que eu voltasse no dia 3 de julho. TRÊS DE JULHO!!!!! CEDO DE MAAAAAAAAAAAAAAAIS! Aquela data me tirou do sério e não conseguia tirar da cabeça o pouco de tempo que tenho aqui. Menos de 5 meses! Fiquei tão noiada com a história que inclusive sonhei que estava de volta ao Brasil e sem perceber o ano tinha passado e eu não tinha feito tudo que queria. Fazia muito tempo que eu não chorava. Chorei tanto no sonho que acordei com a ideia fixa de não deixar nenhuma oportunidade passar, mesmo que pareça uma furada.
No sábado fui pra Oure passar um tempo com Daniel. Assistimos filmes e conversamos bastante, super agradável, como sempre. Na hora do jantar me contaram que iria rolar uma festinha mais tarde. Eu queria ir mas eu não tinha combinado de dormir ali naquele dia, nenhuma das meninas estavam aqui e poucas pessoas do segundo ano iriam. Apesar de tudo eu não conseguia tirar o sonho da minha cabeça e resolvi que essa era uma oportunidade que eu deveria aproveitar. Daniel disse que eu poderia ficar no quarto dele e meu host pai disse que não tinha problema.
Fui pra tal festa, uma festa bem típica dinamarquesa em que o pessoal veste fantasias, acho que eu e Daniel éramos os únicos não de roupas normais alí. O início da festa foi um porre total, quase morri de tédio. Eu não conhecia quase ninguém, só Daniel, o menino que vai pro Brasil, umas quatro pessoas do segundo ano e um menino mais velho que sabe meu nome, super conversa comigo, mas eu não faço a menor ideia de quem seja e quase não tinha menina. E todo inicio de festa é a mesma coisa, todo mundo sentado em mesas jogando joguinhos para bêbados, como eu não estava afim fiquei só olhando e esperando as pessoas ficarem mais alegrinha por ai ia começar de verdade. A medida que foram ficando bêbadas vieram conversar mais comigo e dançar, cheguei a um ponto que eu estava sozinha em uma mesa com mais uns 7 meninos.
A noite acabou cedo, não dancei como normalmente danço porque minha companheiras de pista não estavam lá, mas foi legal conversar mais com o pessoal.
Mas agora estão acontecendo algumas coisas que não posso escrever aqui, mas que estão me deixando muito chateada e preocupada. Uma certa pessoa especial está mudando muito comigo e eu estou com muita vergonha...

Comentários

Ana Seerig disse…
Acho que meus comentários são tão inúteis que vou começar a escrever apenas 'Eu li', pra ti saber que passei por aqui.

Tudo que tu escreve aqui são coisas tuas, desabafos, que eu que estou tão longe, mesmo com a melhor das intenções, não posso ajudar.

Já estive nessas fases em que quando menos esperamos, estamos chorando, onde tudo nos parece chato e sem graça, por mais que tenhamos vontade de aproveitar.

É apenas uma fase e ela só vai passar quando tu estiver tranquila contigo mesma. Talvez seja a mudança de familia que te deixe nervosa, mas logo isso passa. Tu tá no caminho certo: aproveitar ao máximo.

Tenho certeza que as coisas vão melhorar e que logo, logo voltaremos a ter narrações das tuas animadas aventuras dinamarquesas...

Beijo, Lu!
Ana Seerig disse…
Brigada pelo comentário, realmente fiquei feliz. Devo te confessar que o teu é um dos únicos blogs que eu leio assim que vejo atualização e não fico me enrolando (pelo menos não muito), já me sinto em casa aqui... Pra falar a verdade, sinto que te conheço a tempos e devo admitir que me senti um bom tempo perdida por aqui, já que descobri teu blog às vesperas da tua viagem... Pode ter certeza que vou estar sempre aqui, na medida do possível... E realmente fico feliz que meus comentários não sejam completamente inúteis (talvez só um pouco).

Beijooo

(não precisa aceitar esse comentário, era só pra te dizer mesmo como fiquei feliz com a tua resposta!)